O que são Requisitos Funcionais e Requisitos Não Funcionais?

Requisitos são solicitações, desejos, necessidades. Um requisito é a propriedade que um software exibe para solucionar problemas reais, é a conjuntura indispensável para satisfazer um objeto. Quando se trata de um software sob demanda, por exemplo, um requisito é uma maneira pelo qual o sistema oferecido deve fazer, ou um condicionamento no desenvolvimento do sistema.

Lembrando que, em ambas as ações, embora o programador ou o arquiteto de software tenha suas opiniões, é importante chegar em um acordo para resolver o problema do cliente.

Esse sempre será o foco. É muito importante frisar que manter uma concordância com os clientes e àqueles envoltos é um dos principais objetivos dos requisitos. Um dos principais responsáveis pelo sucesso dos softwares, os requisitos, são a base para estimativas, modelagem, projeto, execução, testes e até mesmo para a manutenção dos mesmos.

Assim, os requisitos estão presentes ao longo de todo o ciclo de vida de um software. Ao começar um projeto, os requisitos já devem ser levantados, entendidos e documentados. Assim como realizar atividades de controle de qualidade para verificar, validar e garantir a qualidade dos mesmos para criar um aplicativo.

E isso vale para todos os modelos de software, como aplicativo de marketplace, aplicativo de mobilidade, aplicativo de entregas, aplicativo de streaming, e vários outros.

Gerenciar a evolução dos requisitos é importante, estando cientes de que os negócios com sua dinâmica não garantem estabilidade e podem vir a sofrer alterações. Desse modo é necessário manter a rastreabilidade entre os requisitos e as outras peças do projeto.

O que é análise de requisitos?

Demanda é sinônimo de função, ou seja, tudo que o software deve fazer em função. No entanto, agora foi assumido que os requisitos de software não são apenas funções. Além de funções, objetivos, recursos e limitações, o sistema também deve atender a esses requisitos para atender aos requisitos de contrato, padrão ou especificação do usuário.

De maneira mais geral, os requisitos são necessários para cumprir as metas. Portanto, um requisito é um aspecto que o sistema proposto deve fazer ou uma restrição no desenvolvimento do sistema.

O que são os requisitos

O que você precisa? Compreender os problemas que as organizações devem resolver com software é muito difícil; portanto, é difícil determinar exatamente o que o sistema deve fazer.

Os requisitos constituem um conjunto de requisitos estabelecidos pelos clientes / utilizadores que definem a estrutura e comportamento do software desenvolvido, podemos citar: o processo, os dados gerados esperados, as restrições de funcionamento, o software a utilizar pela pessoa a utilizar, e todos esses problemas relacionados.

Especificação de requisitos

Na fase de análise do sistema, a especificação de requisitos é a tarefa mais importante. Requisitos pouco claros podem causar dores de cabeça, retrabalho e atrasos no projeto. Aqui, veremos os principais conceitos relacionados aos tipos de requisitos do sistema. Geralmente, os requisitos podem ser divididos em duas categorias: requisitos funcionais e requisitos não funcionais.

Os requisitos funcionais descrevem o comportamento do sistema, seus requisitos para o funcionamento de cada item, ou seja, os requisitos que descrevem o trabalho que o sistema deve realizar. Eles são os cérebros do projeto porque descrevem as funções que o sistema deve ter.

Os requisitos não estão especificados corretamente no exemplo acima. Isso é o que chamamos de agregação de demanda. Então, devemos separar os requisitos funcionais, não funcionais e de interface. No nosso caso, a maneira correta é:

Funcionalidade

O sistema deve fornecer uma grade para visualização de imagens. A grade pode ser habilitada ou desabilitada. Não funciona: a escala da grade pode ser cm ou polegadas.

Interface

Deve haver um botão para ativar e desativar a grade. O processo de análise é uma das etapas mais complexas de um projeto de software. Continuaremos a discutir o processo de esclarecimento e análise de requisitos em geral

Requisitos Funcionais

Esclarecido o que são requisitos é hora de desmembrá-los explicando cada um, começamos pelos requisitos funcionais. Dentro da engenharia de uma empresa de software podemos destacar o requisito funcional , onde há a materialização de uma necessidade ou solicitação realizada por um software. Porém, vários Requisitos Funcionais podem ser realizados dentro de uma mesma funcionalidade. São variadas as funções e serviços que um sistema pode fornecer ao seu cliente, descrevemos abaixo algumas das inúmeras funções que os softwares podem executar:

  • Incluir/Excluir/Alterar nome em uma tela de manutenção de funcionário
  • Geração de relatório de determinado período de vendas
  • Efetuar pagamentos de compra através de crédito ou débito
  • Consulta e alterações de dados pessoais de clientes
  • Emissão de relatórios de clientes ou vendas
  • Consulta de saldo ou estoque

Os requisitos funcionais são de extrema importância no desenvolvimento de aplicativos, pois, sem eles não há funcionalidades nos sistemas. Seus modelos devem ser construídos em um nível de entendimento claro e objetivo, além de um código fonte totalmente aplicável. Conclusão, para se obter requisitos funcionais de qualidade a fábrica de software deve estar atenta a síntese e a semântica dos mesmos.

Requisitos Não Funcionais

Uma vez que os Requisitos Funcionais definem o que o sistema fará, a Engenharia de Software afirma que os Requisitos Não Funcionais definem como o sistema fará, embora não seja tão claro assim essa definição. Os Requisitos não Funcionais não estão relacionados diretamente às funcionalidades de um sistema.

Também chamado de atributos de qualidade ainda assim é de grande importância no desenvolvimento do sistema. Tratados geralmente como premissas e restrições técnicas de um projeto os requisitos não funcionais são praticamente todas as necessidades que não podem ser atendidas através de funcionalidades.

Geralmente mensurável, os requisitos não funcionais definem características e impõe limites do sistema como método de desenvolvimento, tempo, espaço, Sistema Operacional, dentre outros e cuja medida pode ser determinada é importante que se associe essa medida ou referência à cada requisito não funcional. Para ficar mais claro temos alguns exemplos de propriedades e suas métricas:

  • O tamanho pode ser medido em kbytes e número de Chip de RAM.
  • A velocidade está ligada ao tempo de utilização da tela, ou transações processadas por segundos.
  • A métrica da portabilidade é o número de sistema-alvo.
  • A facilidade de uso pode ser medida pelo número de janelas ou o tempo de treino
  • A confiabilidade tem ligação com o tempo médio que o sistema pode vir a falhar, a disponibilidade ou até mesmo a taxa de ocorrência de falhas.

Esses são apenas alguns dos exemplos onde as propriedades e métricas são associadas a cada requisito não funcional. Além do mais esse requisitos não funcionais são divididos em três tipos principais. Requisitos de Produto Final, Requisitos Organizacionais, Requisitos Externos que se dividem em diversos outros tipos. Listamos abaixo alguns exemplos básicos de requisitos não funcionais:

  • Utilização do módulo de Informações Cadastrais em modo off-line
  • O sistema deve ser implementado na linguagem Java
  • O sistema deverá se comunicar com o banco SQL Server
  • Um relatório de supervisão deverá ser fornecido toda sexta-feira
  • O sistema deve ser executável em qualquer plataforma

requisitos funcionais

Muitos softwares não obtém sucesso e chegam a fracassar. Isso se dá devido a não definição prévia desses atributos de qualidade na priorização ao definir uma arquitetura.  Se esses Requisitos não Funcionais levantam aspectos tão importantes nos sistemas de softwares e desconsiderá-los é submeter-se a uma futura falta de êxito ou deficiência no desenvolvimento do software, qual o motivo de tanto descaso?

  1. Apenas as grandes empresas, onde existem uma equipe de TI com maior disposição, onde acompanham de perto a elaboração dos softwares é que dão credibilidade aos Requisitos não Funcionais.
  2. Os Requisitos não funcionais são de difícil estimativa tanto para prazo, trabalho ou custo.
  3. É grande o número de fornecedores que julgam “gastar mais” no desenvolvimento de aplicativo, por exemplo, ao lidarem com os Requisitos não Funcionais e só não os ignoram quando são solicitados explicitamente pelo cliente.

De certo modo todas as atividades que são relacionadas aos requisitos fazem parte do processo de Engenharia de Requisitos. Uma das áreas essenciais no desenvolvimento de softwares a Engenharia de Requisitos possui algumas definições segundo a literatura técnica da engenharia:

  • Termo que descreve as atividades relacionadas à investigação e definição de escopo de um sistema de software.
  • Método sistemático de desenvolvimento de requisitos através de um processo cooperativo de análise onde os resultados das observações são codificados em uma variedade de formatos onde a precisão das observações são verificadas freqüentemente.
  • Curso de descoberta, análise, documentação e verificação das funções e restrições do sistema.

Características e exemplos dos requisitos funcionais

Um requisito funcional define-se pela necessidade, uma função de um aplicativo ou parte dele. Ele é o conjunto de funcionalidades que vão compor o seu aplicativo. Exemplo: cadastro de usuários, login, geolocalização, busca por listas, emissão de relatórios etc. Aliás, deve-se levar em conta que vários requisitos funcionais podem estar dentro de uma funcionalidade. São várias funções que se pode especificar dentro de um app, abaixo citamos algumas delas.

  • Incluir/alterar/excluir informações
  • Geolocalização
  • Tela de buscas
  • Geração de relatórios
  • Pagamento por débito e crédito
  • Consulta de saldo ou estoque

Características e exemplos de requisitos não funcionais

Requisitos não funcionais são relacionados ao uso da aplicação em termos de desempenho, usabilidade, confiabilidade, disponibilidade, segurança e tecnologias envolvidas. Muitas vezes, os requisitos não funcionais acabam gerando restrições aos funcionais. Tratados como restrições, os requisitos não funcionais muitas vezes determinam todas as necessidades que um requisito funcional não pode cumprir. Geralmente definem características e restrições do aplicativo como um método de desenvolvimento, tempo, espaço etc.

Os requisitos não funcionais são divididos em três tipos principais: requisitos do produto final, requisitos organizacionais e requisitos externos. Confira abaixo alguns requisitos básicos não funcionais:

  • Módulo de informações cadastrais offline
  • Linguagem específica: Java, Objective-C, Swift, #C, Visual Basic etc
  • Executável em qualquer plataforma
  • Emissão de relatório por usuário

Entender profundamente os tipos de requisitos do seu app pode decidir o futuro dele. É necessário também ter em mente que o um aplicativo pode ser desenvolvido de forma flexível, unindo um projeto de qualidade sem um alto custo de aquisição. Em resumo, esse tipo de estratégia facilita e otimiza a manutenção e correção de erros, além de prover uma visão clara do serviço que está sendo implementado. Não apenas do lado do cliente, mas também da empresa que está desenvolvendo.

Outras fontes de requisitos

  • Transferência de conhecimento de colegas ou funcionários que já estão trabalhando nesse projeto
  • Fale sobre o projeto para analista de negócios, gerente de produto, líder de projeto e desenvolvedores
  • Analise a versão anterior do sistema que já está implementada no sistema
  • Analise o documento de requisito mais antigo do projeto
  • Veja os relatórios de bugs anteriores, alguns dos relatórios de bugs são transformados em solicitações de aprimoramento que podem ser implementadas na versão atual
  • Consulte o guia de instalação se estiver disponível para ver quais são as instalações necessárias
  • Analise o domínio ou conhecimento da indústria que a equipe está tentando implementar

Como analisar os requisitos

Considere o exemplo de um sistema de software educacional em que um aluno pode se inscrever em diferentes cursos.

Vamos estudar como analisar os requisitos. Os requisitos devem manter um padrão de qualidade de seus requisitos, diferentes tipos de requisitos de qualidade incluem

  • Atômico
  • Identificado exclusivamente
  • Completo
  • Consistente e inequívoco
  • Rastreável
  • Priorizado
  • Testável

Por fim, esperamos que tenha esclarecido um pouco sobre como funciona o universo dos requisitos e caso ainda fique alguma dúvida não deixe de nos contatar. Conheça também nosso serviço de Análise e Engenharia de Requisitos, perfeito para as primeiras etapas de seu projeto. Ficaremos muito felizes em te atender!

Procedimento de Análise de Requisitos

Etapa 1: Definir os requisitos de software

Você pode encontrar requisitos de negócios vagos para o desenvolvimento de software de tempos em tempos. Nesse caso, o primeiro passo é esclarecê-los e defini-los. Eu gostaria de listar várias técnicas úteis para eliciar e definir os requisitos da seguinte maneira:

Análise de documentos

Manuais do usuário e documentos de processo sobre o sistema atual podem ser úteis na definição dos requisitos de software. Abaixo estão algumas etapas que você pode considerar para sua análise:

  • Recolher documentos relevantes
  • Avaliar esses documentos se eles são apropriados para serem estudados
  • Analisando-os para identificar requisitos relevantes
  • Revendo e confirmando os detalhes identificados

Entrevista

Essa técnica é muito útil para revelar as verdadeiras necessidades de software. Por exemplo, você pode fazer uso de perguntas como quem usa o sistema, em que período de tempo, para quais propósitos e como funciona.

Observação

A observação pode fornecer mais informações sobre processos, entradas e saídas do sistema existente. Às vezes, quando você entrevista as partes interessadas, elas não conseguem explicar o suficiente sobre seu processo, portanto, considere usar esta técnica para revelar as informações que faltam.

Oficina

Outro bom método a ser usado é organizar um workshop com um grupo de usuários ou partes interessadas. Durante o workshop, você pode conversar com os participantes para descobrir, definir, escopo e priorizar suas necessidades em um novo sistema de software. Essa técnica é muito eficiente na especificação de requisitos, pois promove o entendimento mútuo a partir da comunicação direta entre as partes interessadas e a equipe do projeto.

Debate

Outra abordagem prática para determinar os requisitos. Os usuários podem ter ideias muito inovadoras que viram ou experimentaram em outro lugar. Em seguida, você precisa coletar todas as ideias e, em seguida, revisar e manter as relevantes para incluir no novo sistema.

Prototipagem

A técnica de prototipagem é freqüentemente usada para apresentar maquetes de tela aos usuários para obter seu feedback. Isso os ajuda a visualizar como será o sistema, para que possam fornecer comentários muito úteis para ajudar a reconhecer os requisitos que realmente atendem às suas necessidades.

Ao final desta etapa, você terá uma compreensão clara do sistema e de como ele deve funcionar. Você deve colocar em um documento do Word recursos e funcionalidades do sistema, bem como qualquer lógica de negócios como validação de dados ou cálculo. Esse tipo de documento é conhecido como Especificação de Requisitos de Software (SRS).

Etapa 2: Analisar os requisitos

Depois de definir os requisitos de software, avance para dividi-los em categorias menores por recursos e funcionalidades. O resultado dessa divisão é mais ou menos assim:

  • Módulo 1 / Tela 1
    • Recurso 1.1
      • Função 1.1
      • Função 1.2
    • Recurso 1.2
      • Função 2.1
      • Função 2.2
  • Módulo 2 / Tela 2
    • Recurso 2.1
      • Função 1.1
      • Função 1.2
    • Recurso 2.2
      • Função 2.1
      • Função 2.2

Os requisitos de software agora estão divididos em blocos que podem ser documentados como histórias de usuário. Você deve usar uma ferramenta de gerenciamento de projeto como Jira ou Trello para documentar essas histórias de usuário.

Etapa 3: Divida as Tarefas

Para esta etapa, você já tem a árvore da estrutura analítica de requisitos, que fornece uma compreensão completa de quais requisitos atender. É hora de transformá-los em tarefas acionáveis ​​que são refinadas o suficiente para serem realizadas. Lembre-se de que as tarefas de codificação e verificação são como nós de folha da árvore acima. O resultado final pode ser algo assim:

O resultado seria assim:

  • Autenticação
    • Admin deve fazer login para gerenciar apenas agentes, não para gerenciar pagamentos de empréstimos
    • Agente para acessar o portal
    • Agente para sair
  • Gerenciamento de agente
    • Admin para criar um novo agente
    • Admin para atualizar um agente existente
    • Admin para excluir um agente
    • Agente para não ser capaz de acessar e gerenciar outros agentes
  • Gestão de empréstimos
    • Agente procura empréstimos por número de empréstimo
    • Agente para agendar o pagamento de um empréstimo existente
    • Agente deve pular o pagamento de um determinado empréstimo
    • Agente para reagendar um pagamento
    • Agente para agendar um pagamento
    • Sistema para enviar um e-mail ao cliente quando um pagamento é agendado

etapa 3 dividir tarefas - adicionar uma conta de desconto

Análise de requisitos de software na prática

Vamos analisar um exemplo de qual requisito se aplica ao procedimento acima.

Definir Requisitos

Recolher e compreender os requisitos

O documento Portal do agente é fornecido pelo cliente por e-mail. Ao fazer a triagem, existem palavras / termos sobre os quais não tenho certeza: Cronograma de pagamento, pagamento, reagendar um pagamento. Em seguida, vou pesquisar para aprender sobre eles. Caso eu ainda não consiga descobri-los, perguntarei ao meu cliente quem é o especialista no domínio.

Definir Requisitos

Depois de coletar todos os requisitos (incluindo as respostas às minhas perguntas), analisarei e codificarei meu entendimento e definirei como o aplicativo deve funcionar: Um agente se conecta e o sistema mostra uma lista de empréstimos. Ele / ela pode pesquisar por número de empréstimo, clique para ver as informações detalhadas do empréstimo. Na tela de detalhes do empréstimo, ele pode agendar um pagamento, pular um pagamento, reprogramar um pagamento, agendar um pagamento , etc.

Analisar Requisitos

O que fariamos nesta etapa é ler os documentos de requisitos de cima para baixo, procurando ações que o usuário gostaria de realizar ou que o sistema deveria fazer (procure verbos ou frases que estão associados ao usuário ou sistema: deveria ser, deve mostrar, etc … Qualquer indicador que pode me ajudar a listar itens de requisitos acionáveis).

Conclusão

É primordial que o analista possua perfil adequado. O analista de sistemas precisa de mais do que apenas a capacidade de desenhar fluxogramas e outros diagramas técnicos. O analista de sistemas tem a função de projetar e analisar sistemas de ótimo desempenho. Para que esse objetivo seja alcançado, é necessário o analista de sistema possuir a capacidade de:

  • Compreender conceitos abstratos, reorganizá-los em divisões lógicas e sintetizar soluções baseadas em cada divisão;
  • Absorver fatos pertinentes de fontes conflitantes ou confusas;
  • Entender os ambientes do usuário/cliente;
  • Aplicar elementos do sistema de hardware e/ou software aos elementos do usuário/cliente;
  • Comunicar bem nas formas escrita e verbal e entender o objetivo global do software.

Não existe uma técnica padrão para o processo de levantamento de requisitos. Para alcançar um levantamento de requisitos mais preciso é importante o conhecimento de diversas técnicas para saber que técnica de levantamento aplicar em cada situação.

Mesmo que você não trabalhe diretamente com o desenvolvimento de softwares, ter um conhecimento básico sobre o assunto é de grande utilidade para fazer parte de um ecossistema empreendedor.

Caso tenha uma dúvida ou queira dar uma opinião, deixe um comentário abaixo. E compartilhe este artigo nas redes sociais. Preencha o formulário abaixo e receba o contato da nossa equipe de especialistas.

Leave a comment