App Store vs. Google Play: qual a melhor loja de aplicativos?

Se você está desenvolvendo um aplicativo, pode ter se deparado com a seguinte pergunta: devo criar um app para iOS ou Android? Com um grande alcance do mercado, a competição entre as duas plataformas está cada vez mais acirrada.

Enquanto a App Store e a Google Play tem seus prós e contras, eles costumam ser comparados através das escolhas dos usuários. Como os desenvolvedores querem aplicativos rentáveis, é importante entender qual sistema incita mais as compras dos usuários. Não é surpresa, mas estudos recentes apontam que os aplicativos iOS costumam ter renda maior que os mesmo aplicativos em suas versão Android, mesmo que o Google Play tenha 4 vezes mais usuários que a App Store.

A pergunta que fica é: porque os usuários do iOS gastam mais em aplicativos do que os usuários do Android?

Engajamento e dados demográficos

Para começar, vamos falar de engajamento. De acordo com a Experian, os usuários do iOS gastam em média 26min por dia a mais utilizando seus dispositivos, quando comparados com os usuários Android. Eles também gastam mais no mercado móvel do que os usuários da concorrente.

Agora, vamos falar do Android. Afinal, a plataforma possui uma grande variedade de produtos, desde os mais baratos até os mais avançados. Isso faz com que o engajamento seja bem diversificado. Em média, os usuários do Android são mais preocupados com o preço dos aplicativos. Na verdade, o preço é um dos grandes fatores a ser considerado quando se escolhe um dispositivo Android.

Estudos mostram que, quanto mais barato o dispositivo, menos os usuários gastam em aplicativos. A conclusão que podemos chegar é que os usuários com dispositivos menos avançados não gastam muito com aplicativos. Afinal, eles não estão procurando agregar muito valor aos seus dispositivos, como os usuários de dispositivos mais avançados. A maioria das pessoas que possuem dispositivos Android vivem em países em desenvolvimento. Isso afeta as compras nos aplicativos, porque o uso do cartão de crédito é bem menor nesses países.

Enquanto isso, 41% dos usuários do iOS ganham pelo menos U$100,000.00 de receita anual. Eles também tendem a adotar novos dispositivos com mais rapidez, e esperam mais valor de seus dispositivos. Um nível de engajamento maior sugere que os usuários do iPhone procuram maior valor de seus usuários. Isso faz com que eles estejam suscetíveis a pagar por aplicativos que aumentar a capacidade de seus smartphones.

Lealdade à marca e aos aplicativos

Outra razão que faz com que os usuários do iPhone gastem mais que os usuários do Android é a lealdade da marca. Os usuários do iPhone são incrivelmente leais. De acordo com uma pesquisa recente da Morgan Stanley, 92% dos usuários de iPhone dizem que esperam o lançamento de novos dispositivos da marca, e pretendem comprar novos modelos. Esse é um número 6% maior do que em 2016. Quando a mesma pergunta é feita aos usuários Android, apenas 77% diz esperar os novos lançamento da plataforma.

Preços dos apps: quais usuários gastam mais em aplicativos?

Os experts dizem que os aplicativos da App Store costumam ser mais caros que os apps da Google Play. Isso pode contribuir para o número maior de vendas no iPhone. De acordo com a Flurry Analytics, o valor médio pago por aplicativos na App Store era de U$0,19, enquanto no Android esse valor era de U$0,06. Uma pesquisa da Stardust Testing mostrou que a média de custo de um aplicativo Android é menos da metade que o custo de aplicativos iOS. Por exemplo, alguns aplicativos populares, como o Angry Birds e o Tetris, são pagos no iOS, mas distribuídos gratuitamente nos dispositivos Android.

Não se sabe se essa tendência é seguida exatamente porque os usuários do Android tendem a gastar menos com aplicativos, mas essa é uma possível explicação. Outra informação interessante é que os desenvolvedores Andorid costumar precisar de um tempo 28% maior para finalizar seus apps, quando comparados aos desenvolvedores Android.

A mudança se aproxima

Durante os anos, a popularidade dos aplicativos pagos do iOS sofreu uma queda. Em 2008, 74% dos aplicativos da App Store eram pagos. Hoje, 78% dos 2.2 milhões de apps disponíveis na App Store são gratuitos. Enquanto isso, a Google Play vem vivendo um crescimento no número de aplicativos comprados, graças a novas formas de compra, que incluem valores pré-pagos e vale-presente. O número de aplicativos pagos para Android é de 31%.

Um disputa acirrada

Apesar dos usuários do iPhone gastarem mais em aplicativos do que os usuários Android, essa tendência vem diminuindo. Antes, os aplicativos disponíveis eram o maior diferencial entre as duas plataformas. Hoje, a satisfação dos usuários está levando a disputa a um possível empate técnico. A criação de aplicativos ajudou a entender e reinventar a experiência dos usuários. Com o amadurecimento do mercado de aplicativos, vamos ver como tudo isso afeta os hábitos de compra dos usuários do iOS e do Android.

As maiores diferenças entre os aplicativos Android e iOS

  • 41% dos usuários do iPhone possui renda anual maior que U$ 100.000,00;
  • 78% dos aplicativos iOS são gratuitos;
  • 69% dos aplicativos Android são gratuitos;
  • Os produtos Android possuem grande diversidade de preço;
  • 92% dos usuários iOS comprariam outro iPhone;
  • 77% dos usuários Android são leais à plataforma;
  • Os usuários do iPhone passam 26min diários a mais que os usuários do Android;
  • Os aplicativos iOS conseguem renda 75% maior do que os aplicativos Android;
  • Os usuários do iOS costumam baixar mais aplicativos;
  • Os aplicativos Android costumam demandar um tempo maior de desenvolvimento;
  • Os aplicativos Android precisam de manutenção mais frequente, devido ao número de dispositivos disponíveis.
  • A satisfação dos usuários do Android e do iOS é acirrada, estando ambos próximos dos 81%.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

*
*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>