O que são as aceleradoras de startup?

Você está no processo de montar seu próprio negócio, ou está montando uma start up, mas sente que precisa de uma ajuda? Alguém já falou para você, sobre Aceleradoras de startups? Não? Então achamos que esse é o momento para você entender o que é, e quem sabe, investir nisso.

O que são as aceleradoras de startup?

As aceleradoras são um tipo moderno de incubadoras de empresas. Elas cuidam do seu negócio nesse processo de iniciação, e também dão as instruções necessárias para que você comece com o pé direito. Elas, no entanto tem uma metodologia mais complexa e estruturada.

Aceleradoras de empresas constituem um ambiente de inovação e criação no país. Na maioria dos casos são entes privados que tem um capital com capacidade de investimento próprio, que conseguem parcerias com empreendedores, investidores, pesquisadores, empresários, mentores de negócio e fundos de investimento.

Breve história

A primeira empresa aceleradora foi a Y Combinator, que começou no Vale do Silício em 2005, fundada por Paul Graham. Ele foi seguido em 2006 pela TechStars.

Com a crescente popularidade nos Estados Unidos, as aceleradoras se espalharam pela Europa, sendo a pioneira a Seedcamp em 2007, seguida pela Startupbootcamp em 2010.

Em julho de 2011, havia mais de 200 aceleradoras em atividade nos Estados Unidos e na Europa.

A Forbes publicou a primeira análise quantitativa de aceleradoras em abril de 2012

Hoje em dia, já podemos ver o crescimento das aceleradoras de startups no Brasil.

Para quê servem as aceleradoras?

As aceleradoras, como já diz o nome, oferecem programas de aceleração, compostos de uma série de serviços orientados para a criação de uma startup, como infraestrutura física, mentorias, assessoria jurídica/contábil e acesso a mercado, por meio de sua rede de relacionamentos. Ou seja, um time perfeito que dará as melhores dicas para o início da sua Start up.

Como conseguir o apoio de uma aceleradora?

As aceleradoras procuram por empresas que tenham um time que futuramente irá apoiá-la, não só financeiramente, mas também com treinamentos, coaches e eventos, por um tempo específico. Em troca disso, elas recebem participação acionária da empresa. E o mais importante disso é que, o processo é aberto.

O papel da aceleradora no início de uma start up é de suma importância para o seu desenvolvimento. Sem contar nos investimentos que são feitos e os treinamentos que são dados. Ou seja, é uma facilidade de se inserir no ambiente de outras start ups, e criar uma rede de contatos, e quem sabe, futuramente, se tornando também uma oportunidade para uma outra start up.

O processo que as startups passam na aceleradora pode ser dividido em cinco fases distintas

Consciência

Se sua equipe não sabe o que é uma aceleradora, essa é a primeira fase!

A fase de consciência é referente ao momento em que a equipe toma conhecimento sobre o que é uma aceleradora.

A relação da aceleradora com a sua marca é importantíssima nesse momento, pois o sucesso da aceleradora nesta fase está atrelado à força de sua marca e como ela se promove. O fato é que, como muitas aceleradoras também estão numa fase inicial, elas ainda não podem bancar campanhas de marketing muito caras. Por isso, é  muito comum que as aceleradoras usem de meios mais “fáceis” para propulsar o seu produto/serviço.

O grande aliado nessas horas são as redes sociais, como Facebook e Twitter, para aumentar a visibilidade sobre elas. Outra forma também, muito eficaz para aumentar essa visibilidade são as feiras que unem diversas Startups,  para divulgar a aceleradora e conhecer potenciais startups. Talvez a forma mais eficiente para a aceleradora se tornar conhecida é recrutar mentores experientes e conhecidos e utilizar a sua redes de relacionamento para atrair novos empresários.

Aplicação

Para que a startup seja aceita por uma aceleradora, é necessário que haja uma apresentação. Então a equipe se submete à uma avaliação.

É recomendável que essa apresentação seja feita por um vídeo, onde todos possam participar, e ajuda também a aceleradora a analisar a composição da equipe.

Como a maioria dos processos de aceitação, há também uma entrevista, para que a aceleradora possa ter uma conversa com os representantes da empresa. A aceitação de empresários sozinhos é rara, pois uma startup é demasiado trabalho para apenas uma pessoa. Geralmente é um requisito que pelo menos um membro da equipe deve possuir habilidades técnicas, caso contrário seria difícil desenvolver um produto em apenas três meses.

Um fator comum na maioria das aceleradoras é que quando elas selecionam suas equipes, elas não valorizam suas ideias tanto quanto a própria equipe. Isto acontece porque a ideia vai mudar consideravelmente devido a diversas iterações, mas a equipe tem que ser forte para se adaptar às mudanças. As características que são valorizadas em uma equipe são paixão, dedicação, diversificação e adaptabilidade.

Programa

Com a ajuda dos mentores, a startup foca no desenvolvimento do seu produto/serviço. Geralmente, o tempo dado para que o grupo se concentre e desenvolva é de três meses, ou menos. Esse tempo curto é o fator que empurra o time para a criação, incentivando um ritmo rápido, e também, ajuda-os a focar o trabalho nas metas estipuladas, o que é um estimulante válido na maioria das startups.

O primeiro mês é dedicado à formação da ideia e a interagir com os mentores. Os mentores ajudam as equipes a refinar suas ideias e fornece orientação sobre como construir negócios escaláveis. Quando a startup decide como proceder, a etapa de construção é iniciada e o foco está no desenvolvimento do produto. Neste momento também é refinado o pitch, ou discurso e as habilidades de apresentação a fim de interessar os investidores.

Muitas aceleradoras exigem que as equipes morem na cidade onde o programa é realizado. Isso permite uma participação mais ativa e aumenta as oportunidades das equipes de interagirem uns com os outros. A maioria das aceleradoras não adere a um programa rigoroso porque as startups têm necessidades diferentes. Portanto, é difícil fornecer um programa que consiste inteiramente de palestras, uma vez que não irá beneficiar todas as equipes simultaneamente.

Muitos das aceleradoras, contudo, dispõe de diferentes tipos de eventos ou dias temáticos onde palestrantes experientes são convidados para palestrar sobre assuntos comuns relativos a todas as equipes.

Demo Day

O programa geralmente termina com o Demo Day, ou dia de demonstração, que dá às equipes a oportunidade de se reunir com os investidores. Este evento pode atrair centenas de investidores, principalmente consistindo de VCs e investidores anjo. É uma grande oportunidade para as empresas e para os investidores conhecerem as startups e decidirem se são dignas de investimento.

Um modelo comum é que cada equipe recebe um intervalo de tempo de 10 minutos para falar sobre o seu produto. Partes do Demo Day são frequentemente fechadas ao público em geral a menos que você seja convidado. O objetivo do dia de demonstração é exclusivamente para as startups receberem financiamento adicional.

Pós Demo Day

A última fase começa logo após o dia de demonstração. A startup terminou o programa e agora está por conta própria. Esta é uma diferença importante entre uma aceleradora e uma incubadora, especialmente no que diz respeito aos incentivos da organização. Algumas incubadoras têm essencialmente se transformado em serviços de locação de espaço de escritório, e o objetivo é manter a empresa na incubadora. O engajamento da aceleradora em uma startup após o fim programa depende principalmente de quanta participação esta tiver. Se a aceleradora retém participação acionária na empresa, é do interesse da aceleradora ajudar a levantar investimento e portanto, melhorar o valor de sua participação.

As aceleradoras qualificadas do programa oferecem diferentes níveis de serviço e estão localizadas em diferentes regiões do país. Algumas aceleradoras têm focos de atuação específicos e cada uma oferece condições de investimento específicas.

No Brasil

No Brasil existe o programa Start-Up Brasil, que  funciona por edições, com duração de um ano. Em cada edição são lançadas até três chamadas públicas, uma para qualificar e habilitar aceleradoras e outras duas, semestrais, para a seleção de projetos de startups.

São selecionadas, por meio de edital específico, aceleradoras de empresas, que são as instituições responsáveis pelo processo de aceleração das startups

Diferença entre aceleradoras e incubadoras

As principais diferenças entre as aceleradoras e incubadoras são:

O processo de aplicação é aberto a qualquer pessoa, mas altamente competitivo. Y Combinator e TechStars por exemplo têm taxas de aceitação entre 1% e 3%.

  • O investimento é feito geralmente em troca de participação acionária. Os valores são tipicamente entre US$ 35.000 e US$ 50.000 ou € 10.000 e € 50.000 na Europa. No Brasil o investimento gira em torno de R$ 10.000 e R$ 50.000.
  • O foco está em pequenas equipes, e não em fundadores individuais. Aceleradoras consideram que uma pessoa não é suficiente para lidar com todo o trabalho associado a uma startup.
  • O período do programa é curto, geralmente três meses, podendo ser extenso, dependendo da aceleradora.
  • As startups são aceitas e tutoradas em classes, a aceleradora não é um recurso sob demanda.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

*
*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>